DIRETRIZES DE GOVERNO

19/04/2014

Qualidade de vida e segurança para todos os brasileiros

55

O Brasil possui uma população superior a 191 milhões de habitantes (em 5.565 municípios), formada por muitos povos e distribuída nos seus diferentes biomas e com diversas formas de ocupação do território. Atualmente, grande parte da população brasileira é considerada urbana, e as tendências apontam para a continuidade do crescimento da população nas cidades.

 

Das megacidades aos pequenos e emergentes aglomerados urbanos, realidades opostas convivem lado a lado: riqueza e pobreza, inclusão e exclusão, participação e marginalidade. A questão urbana deve ser encarada como estratégica para o Brasil em curto, médio e longo prazos, com o objetivo de superar déficits de saneamento e habitação, aumentar a eficiência na gestão das cidades por meio de mecanismos para garantir recursos para os municípios financiarem o seu desenvolvimento urbano, onde o governo federal tem importante papel de induzir políticas e ações que integrem e articulem a promoção do desenvolvimento humano e qualidade de vida de seus habitantes.

 

a.    Reconhecer e valorizar os diferentes modos de vida existentes no território – Qualificar os espaços urbanos e rurais e as diferentes tipologias de cidades, particularidades e formas de ocupação existentes no nosso território. Estabelecer como objetivo estratégico para uma ocupação ordenada do espaço urbano nacional o estímulo à formação de sistemas integrados de cidades, nas escalas nacional, regional e municipal, estimulando a distribuição tanto da população quanto das atividades econômicas.

 

b.  Cidades saudáveis, democráticas e seguras Cidades sustentáveis e democráticas são um dos grandes desafios do século 21, onde a garantia de mobilidade e direito à cidade para todos os seus habitantes, o fortalecimento da diversidade sociocultural e a busca de padrões sustentáveis para uso dos recursos naturais devem ser valores centrais.  Induzir a formulação de políticas de desenvolvimento urbano que tenham o direito à cidade, a sustentabilidade e a democracia como valores centrais. Promover a eficiência na gestão, planejamento e desenvolvimento das cidades com a integração e articulação de políticas para urbanização, saneamento, mobilidade, adaptação às mudanças climáticas, proteção de mananciais, promoção do desenvolvimento e do bem-estar humano. Fomentar a instalação de estruturas de governança metropolitanas e de revitalização de centros urbanos. Garantir recursos e capacitação para que os municípios financiem o seu desenvolvimento.

 

c.     Urbanidade e qualidade ambiental como política de Estado – Evoluir de uma política setorial de direito à moradia para uma política de direito à cidade (“construir bairros e cidades, e não apenas casas”), aliada com inclusão social, diminuição das desigualdades e promoção de inovação (tecnológica, de gestão e de governança das cidades). Implementar uma política nacional de regularização urbanística e fundiária e urbanização de favelas e outras formas de ocupações. Aprimorar mecanismos de financiamento, subsídios e arranjos institucionais para suprir as necessidades habitacionais dos brasileiros e garantir inclusão e acesso a cidades saudáveis.

 

d.    Saneamento básico integrado ao direito à moradia digna e qualidade de vida – Articular o acesso ao saneamento básico às ações de superação do déficit habitacional e de promoção da saúde. Manter investimentos constantes, progressivos e melhor distribuídos no território nacional visando aumentar o ritmo de superação do déficit de acesso à rede de coleta e tratamento de esgotos (atualmente metade da população não tem acesso a redes de coleta de esgotos, e mais de 80% do esgoto gerado no país é lançado nos corpos d’água sem nenhum tratamento, inclusive mananciais de abastecimento).  Criar política de acesso à água potável e proteção aos mananciais de abastecimento de água, incorporando a saúde humana, a qualidade da água e uso sustentável como valores centrais na cadeia de produção da água para abastecimento.

 

e.     Resíduos sólidos Apoiar fortemente a aprovação da política nacional de resíduos sólidos no Congresso e priorizar a sua regulamentação.  Criar diretrizes e incentivos para implantação de programas estruturados de coleta seletiva e reciclagem, visando o desenvolvimento de sua cadeia de produção com a inclusão dos catadores e cooperativas. Fomentar ações e programas para aprimorar e ampliar o tratamento, disposição e reutilização de resíduos industriais e inertes, em especial os resultantes da construção civil. 

 

f.     Mobilidade urbana saudável – Reordenar e direcionar os investimentos e subsídios em transportes de forma a orientar e estruturar o crescimento e mobilidade nas cidades, visando sistemas adequados aos diferentes tamanhos e tipologias de cidades existentes no território. Criar incentivos e inserir nos critérios de financiamento o estabelecimento de instituições reguladoras de transportes coletivos em regiões metropolitanas e aglomerados urbanos (integrar modais, otimizar frotas e itinerários, reduzir tempo de viagens, entre outros). Incorporar a bicicleta como meio de transporte e criar condições para seu uso seguro (ciclofaixas, ciclovias, ligações intermodais). 

 

g.     Enfrentamento de mudanças climáticas e desastres naturais – Implantar um Sistema Nacional de Alerta de Desastres Naturais que seja capaz de antecipar e prever os chamados eventos extremos (tempestades, secas, geadas); regulamentar a Lei de Mudanças Climáticas; criar a Agência Nacional de Clima; reestruturar e fortalecer o Sistema Nacional de Defesa Civil com a criação da carreira de agente da Defesa Civil; reativar o Fundo Nacional de Defesa Civil; apoiar a criação de Conselhos de Defesa Civil.

 

h.    Cultura de paz, defesa e  valorização da vida com equidade no acesso à segurança pública e justiça – Ser indutor de políticas públicas e ações de cooperação com as demais instâncias de governos, incluindo o Fundo Nacional de Segurança Pública. Investir em políticas intersetoriais preventivas e de cooperação entre diferentes instâncias de governo (estado e municípios), poder Judiciário e Legislativo. Monitorar anualmente o cumprimento e violações dos Direitos Humanos no Brasil e criar Inspetoria Nacional de Direitos Humanos.

 

i.     Implantar uma Nova Estrutura Institucional da Segurança Pública – Promover o debate sobre a construção de um novo modelo de polícia e sobre a implantação do ciclo completo de policiamento. Aprimorar ferramentas de gestão administrativa.  Criar carreira única em cada polícia, adequar política salarial à importância e riscos de sua função e promover o respeito aos direitos humanos. Fortalecer as políticas preventivas municipais, as Guardas Civis e o modelo do policiamento comunitário.  

 

j.     Políticas criminal e prisional mais eficientes e comprometidas com a dignidade humana –Combater a impunidade e levar à prisão os autores de crimes graves. Promover penas alternativas, justiça restaurativa para a superação de conflitos e penas de restrição da liberdade como alternativas às penas de privação à liberdade. Aumentar a eficiência dos mecanismos de persecução com foco nos crimes mais graves, reduzindo a demanda de encarceramento massivo. Reorientar o sistema penitenciário nacional para o cumprimento efetivo da Lei de Execução Penal (LEP). Desenvolver programa nacional de apoio aos egressos para favorecer a reinserção social. Estimular a criação de planos de carreira para os servidores penitenciários e fixação de parâmetros nacionais obrigatórios para o serviço em prisões. Estabelecer mecanismos de participação da sociedade civil no acompanhamento e fiscalização da execução das penas.

 

k  .     Prevenção e combate à violência contra crianças e adolescentes – Monitorar e estimular o cumprimento das disposições da Convenção sobre os Direitos da Criança. Erradicar o trabalho infantil e expandir a assistência pré-natal e pós-natal. Combater pedofilia, exploração sexual e pornografia infanto-juvenil na Internet. Estimular a adoção de crianças e adolescentes abrigados e ampliar a oferta de programas de famílias acolhedoras. Desenvolver legislação específica e política nacional anti-bullying.  


l.    Prevenção e combate à violência contra idosos – Criar estruturas para atendimento específico para idosos vítimas de violência e definir um marco regulatório nacional para os asilos de idosos.

 

m.   Políticas de drogas e de desarmamento – Discutir com a sociedade a política de drogas e investir no esclarecimento, na prevenção e no tratamento dos dependentes. Cumprir e fazer cumprir o Estatuto do Desarmamento, ampliando os mecanismos de controle sobre a produção, venda e exportação de armas.

 

  n.    Defesa Nacional – A modernização das Forças Armadas e a incorporação da missão de proteção do meio ambiente, particularmente dos grandes ecossistemas brasileiros, serão objetivos prioritários da política de defesa nacional, bem como a adequação dos seus efetivos às necessidades constitucionais, o aprimoramento da capacidade operacional das nossas Forças Armadas, a elevação do seu nível tecnológico, foco na preservação e defesa dos recursos marítimos e do potencial hídrico da Amazônia, e em geral ao controle efetivo sobre as fronteiras.   

Compartilhe

Link


Comentários

  • 22/09/2010
    Bárbara Macedo
    Lutar contra lobos não é fácil... concordo com o comentário de uma de suas eleitoras de que a campanha deve ser mais ENFÁTICA com uma estratégia de MARKETING mais agressiva. Afinal, quem leva um candidato á presidência infelizmente em nosso país não é a parte intelectual da população... BOA SORTE!
  • 22/09/2010
    Bárbara Macedo
    Lutar contra lobos não é fácil... concordo com o comentário de uma de suas eleitoras de que a campanha deve ser mais ENFÁTICA com uma estratégia de MARKETING mais agressiva. Afinal, quem leva um candidato á presidência infelizmente em nosso país não é a parte intelectual da população... BOA SORTE!
  • 22/09/2010
    Jussara
    Marina suas propostas são boas, no entanto , não sei você, mas eu não vejo nenhum candidato a presidência propondo formas de moradia que proporcionem qualidade de vida as pessoas. Por exemplo, parques municipais, que são de grande importância quando se fala em grandes cidades, metrópoles. É vergonhoso o estado dos parques, não só por essa razão, mas pela preservação ambiental de nascentes e rios. Daí surge o tratamento de esgoto, saneamento básico. Jussara, futura Gestora Ambiental.
  • 21/09/2010
    Elaine
    Marina, Minhas preces são para que o Senhor te de forças para ajudar esse povo perdido em tanta corrupção. Minha família está com você! Elaine
  • 16/09/2010
    Eduardo Jose Jankosz
    Marina! Voce tem que fazer um planejamento a nivel nacional, para desenvolver cidades pequenas e medias neste País! Dar incentivo ao desenvolvimento interiorano, não somente concentrar investimentos nas grandes cidades e capitais! Temos que desenvolver o Brasil interiorano, possibilitando qualidade de vida ao povo do interior do País. Isto vai amenizar o exodo para as grandes cidades e capitais, e vai diminuir o impacto ambiental nas grandes cidades. Vai sobrar dinheiro para investir no Interior e tornar este Brasil melhor distribuido demograficamente. Vai por mim, isto é uma grande solução para o País.
  • 15/09/2010
    joelma
    é triste informar que a uma grande parte da população nordestina ainda pensa seriamente em votar na "protegida do lula" a Dilma, por terem medo que os outros candidatos à presidencia da republica tirem as Bolsas que o governo lula implantou, por um meio de ajuda à pessoas que por muitas vezes tiram dali o seu pão de cada dia, por isso venho por meio desta mansagem sugerir que a Marina (a pessoa mais indicada -ao meu ver, para governar esse país), que em seu programa de governo ela imponha algum recursso parecido com as bolsas famíila, alimentação, etc; algo do tipo, para que possa assim conquistar de vez o "povão", que muitas vezes-infelizmente tenho que afirmar isso, não tá nem aí pra reformas e formas de proteger o nosso ambiente, pessoas que estão em desespero por pensarem que não serão ajudados e enxergados como Lula (que fingia fazer isso), pessoas que precisam de ajuda. bjo
    Olá joelma, Marina desenvolverá o que chamamos de Terceira Geração de Programas Sociais. Essa proposta diz respeito a exatamente um aprimoramento dessas Bolsas citadas por você. Além de transferência de renda há também um acompanhamento dessas famílias de forma integral. Lei mais sobre na diretriz de governo Proteção social: saúde, previdência e 3ª geração de prog. sociais. Obrigado. Equipe de Conteúdo.

  • 14/09/2010
    ***Diana Lucas***
    Bom mesmo era se os presos trabalhassem dentro das prisões!!! Esse negócio de fica sem fazer nada é o que acaba com a esperança do povo na recuperação destas pessoas. E as mulheres deles poderiam produzir o alimento deles... Tem que ser obrigado mesmo!!! Tanta coisa pra fazer... um sapato, fardamento, até uma gráfica para utilização do governo... Ahhh... com isso eles aprenderiam uma profissão e receberiam por isso!!! E o governo não ia precisar contratar empresas particulares para essas atividades. Ahh... e exigir deles também a conservação do presídio!!! É realmente horrível a situação desse povo!!! Organizar mutirões entre eles mesmos para que o ambiente seja aparentemente digno para se viver!!! Eu não entendo muito não... mas sei lá!!! Penso assim!!! hehehe... Só sei que estou com Marina Silva!!! Vou iniciar minha vida de eleitora bem segura do que quero para o Brasil e para mim como cidadã!!! Bjão Amada!!! Deus te Abençoe Muito!!!
  • 12/09/2010
    Ricardo martins Jornalista Tijucas SC
    Considero o naipe de proposta interessante, porém ainda muito discursivo, mais parecendo promessa política. Entendo se de fundamental importância 03 pontos no aspecto tranqüilidade para o cidadão e para o país. Segurança Pública: Designar as Forças Armadas, que apenas vivem na engorda nos quartéis, para o serviço de fronteiras, secas, ar e mar, em apoio a PF. Direcionar a estados e municípios recursos para a viabilização de aumento de contingente policial, Significativo aumento de efetivo interno e externo. (internamente seria oportuno utilizar universitários de 6º. Período em diante dos cursos de direito e afins e forma a atuarem em serviços administrativos e burocráticos e depois para aqueles se interessarem pela carreira que este tempo fosse considerado quanto a benefícios de carreira). Proporcionar aos futuros policiais preparo e orientação adequados para exercerem a função, com aprimoramento periódicos, além de salário, pensão e seguro de Vida dignos para cada um. Um plano de carreira decente. E se possível unir as duas policias em uma só, parte fardada e parte não, este seriam os investigadores e policia judiciária. Investir em equipamentos e armamentos modernos e adequados ao momento. Isso inclui investir em inteligência e logística. Sistema Prisional: Instalar unidades de segurança máxima, modernas e como as existentes no 1º. Mundo em todas as capitais ou estados do Brasil. Separar o joio do trigo, as pequenas penas dos grandes e perigosos criminosos, sem esquecer os bandidos do colarinho branco, estes devem além de puxar cadeia trabalhar para pagar as despesas. Sugiro utilizar a tecnologia e projeto utilizado em PLATAFORMAS de petróleo como unidade penitenciaria de segurança máxima, assim como os Fortes e Fortalezas existentes como unidades de pequeno porte. Preparar e pagar bem o agente prisional, semelhante ao proposto aos policiais. Lei penal: Este o quesito mais importante, pois lida com a IMPUNIDADE. Rever imediatamente via medida provisória, a Lei Penal seus benefícios, privilégios e instâncias de recurso. Também de forma imediata exigir do magistrado que ao analisar qq situação de detento leve em consideração sua periculosidade e vida criminosa. Implantar de verdade penas duras e rigorosas para os crimes mais hediondos sem nenhum tipo de benefício ou privilégio, cumprir a pena toda e fim de comédia. Providenciar imediato estudo do Código Penal adequando-o a modernidade. Afastar ou aposentar todos os magistrados que já tiveram tempo de serviço, aqueles considerados desinteressados e venais. Estudar a possibilidade de Prisão Perpétua. Exigir imediata informatização da Justiça e sua aceleração adminitrativa. Apresente isso a sociedade e ganhe a eleição! E não se esuqeça de colocar em pratica.
  • 11/09/2010
    Luiz Oliveira
    Tudo o que está no programa é extraordinário. Mas para que tudo aconteça é preciso aumentar a geração de emprego e renda. Entendo que se nós produzirmos o que importamos, fruto de nossa própria matéria prima que exportamos, daríamos o extraórdinário avanço. Precisamos ganhar competitivade no mercador interno e externo com redução de nossos custos estupidamente elevados não apenas pela baixa produtividade como, acima de tudo, pelas estúpida cargas tributária e previdenciária. Precisamos de um sistema que promova a inclusão fiscal da economia informal que também prejudica a economia formal. Precisamos priorizar a utilização dos recursos públicos em todos os níveis, hoje ao sabor dos ventos, afora a corrupção que lhes sugam grande parte. Entenda-se que um produtor é também um consumidor, portanto, o próprio desempregado produzindo retroalimenta o sistema econômico
  • 08/09/2010
    José Carlos da Silva
    Com toda certeza a segurança pública de nosso país deixa a desejar, contudo não dá para melhorar a segurança sem melhorar o agente de segurança. Defendo que o policial tem que ter uma vida de qualidade para orgulha-se do que faz, e dar respostas que a sociedade precisa e merece. Qual seu projeto em favor dos policiais do Brasil?
    Caro José Carlos, A ideia é promover uma Nova Estrutura Institucional da Segurança Pública: Discutir, transformar em lei e implantar um novo modelo de polícia, criando carreira única com política salarial adequada e promovendo os direitos humanos. Além disso outras medidas devem ser tomadas como: a mobilização do legislativo para aprovação do novo modelo de polícia (projeto de Emenda Constitucional para mudar o artigo 144º da Constituição): a defesa por um ciclo completo de trabalho (e não mais divisão do ciclo de trabalho), facilitar especializações, promover a qualificação profissional e a competência. Aprimorar ferramentas de gestão administrativa e de produção e uso de informação, fomentar a expansão de cursos na área de segurança pública nas universidades e faculdades, estimulando – além das especializações – cursos de graduação em segurança pública entre outras. Obrigado. Equipe de Conteúdo.

  • 07/09/2010
    Marcella
    Olá ! Gostaria de saber se Marina pensa em construir ciclovias em São Paulo. Fico imaginando se poderíamos ter uma ciclovia em toda a extensão do Rio Tietê, devidamente arborizada. Já que é um espaço que vejo que não é usado para nada... Obrigada.
    Olá Marcella, Marina incentivará políticas integradas para que mais projetos de ciclovias sejam viabilizados nas grandes cidades. Outra questão debatida será a efetivação do uso de intermodais para facilitar o acesso ao uso da bicicleta. Obrigado. Equipe de Conteúdo.

  • 03/09/2010
    ODÉCIO LIMA
    Prezada Marina Silva, após analisar atentamente as propostas de governo dos candidatos ao cargo de Presidente da República, concluí que, sem dúvida, a senhora tem o plano de governo que mais agrada tanto a mim quanto a minha família, portanto, a senhora conquistou nossa confiança e apoio. Sou profissional de segurança pública e gostaria de colaborar na implantação da sua nova estrutura institucional da segurança pública com as seguintes sugestões: 1) institua polícias de ciclo completo (exercício integral das funções policiais) federal, estaduais e municipais, de caráter civil, uniformizadas, com competências pré-definidas em razão das infrações penais infringidas (à polícia federal caberia a prevenção e apuração das infrações penais contra a ordem política e social ou em detrimento de bens, serviços e interesses da União ou de suas entidades autárquicas e empresas públicas; às polícias estaduais caberiam a prevenção e apuração das infrações penais consideradas de maior potencial ofensivo; e às polícias municipais caberiam a prevenção e apuração das infrações penais consideradas de menor potencial ofensivo); 2) elimine a dualidade na função policial: ao invés de unificar as polícias civis e militares em uma única força policial estadual, transforme as polícias civis em polícias estaduais únicas e as polícias militares em polícias municipais, no âmbito dos seus respectivos territórios, com as competências acima descritas; com isso, evita-se a repulsa dos oficiais de polícia militar e dos delegados de polícia civil ante a unificação das duas corporações e inibi-se a exacerbada disputa pelo comando geral da nova instituição estadual; 3) remodele a carreira policial, de tal modo que se estabeleçam apenas cinco graus hierárquicos crescentes (com atribuições de execução, supervisão, gerência coordenação e direção), com a remuneração máxima não excedente a mínima mais de quatro vezes; 4) altere o funcionamento da persecução penal, fixando um procedimento monofásico e de caráter judicial, sob a tutela do Ministério Público (com a extinção do inquérito policial, seria abolida a chamada polícia judiciária, dando lugar a um organismo policial investido de funções de polícia administrativa, preventiva e investigativa, que faria flagrantes, registros de ocorrências, policiamento ostensivo e preventivo, bem como, a investigação criminal); 5) crie a guarda nacional, órgão militar reserva do exercito brasileiro, com competência primária de fiscalizar as fronteiras nacionais visando prevenir e apurar o tráfico internacional de drogas, armas e outros, bem como o contrabando e o descaminho, e competência secundária de auxiliar as polícias federal, estaduais e municipais no restabelecimento da ordem pública advinda de eventos diversos, ou ainda de substituí-las em caso de greve de qualquer delas. Sem mais, desejamos-lhe muita boa sorte e contamos com a senhora para que a implantação dessa nova estrutura institucional da segurança pública seja uma realizada bem próxima e ao nosso alcance, pois, não dá mais para continuar vivendo num país que tem duas meias polícias estaduais, uma ostensiva e outra investigativa, que não conseguem alcançar com satisfação sua missão constitucional e promover a sensação de segurança indispensável à população brasileira.
  • 03/09/2010
    Luiz
    Olá, Estou fazendo um trabalho de escolha e não consegui encontrar suas propostas para Habitação,Emprego, Transporte e Saneamento Básico. Por favor, entre em contato o mais rápido possivel. Obrigado.
    Olá Luiz, Você pode encontrar entre as diretrizes alguns posicionamentos. Na diretriz Proteção social: saúde, previdência e 3ª geração de prog. sociais. Você pode encontrar algumas propostas ligadas a empregos e terceira geração de programas sociais. Na diretriz Qualidade de vida e segurança para todos os brasileiros você pode verificas questões ligadas a Hhabitação, transporte e saneamento. Obrigado. Equipe de Conteúdo.

  • 01/09/2010
    Edilberto Aguiar
    Olá. Gostaria de saber o que pensa a Marina sobre o trabalho do presidiário em obras públicas de infraestrutura e estrutura, como a construção de rodovias, escolas e mobiliário escolar, por exemplo? A oferta deste tipo de trabalho ao interno, de forma remunerada e opcional, estimula a aprendizagem profissional, a valorização do trabalho e a reinserção social futura. Além disso, é uma forma de financiar parte do investimento público em infraestrutura e estrutura e reduzir o custo "morto" do presidiário para a sociedade.
    Olá Edilberto, A ideia é promover penas alternativas, justiça restaurativa para a superação de conflitos e penas de restrição da liberdade como alternativas às penas de privação à liberdade. Realmente, se bem analisada e regulamentada sua sugestão pode gerar um dos mecanismos para reinserção. Obrigado. Equipe de Conteúdo.

  • 31/08/2010
    ANTÔNIO DE PÁDUA J. REIS
    Sou Antônio de Pádua J. Reis. Cidadão brasileiro há mais de 66 anos, creio que ainda tenho a obrigação de me manifestar. Sei que nada valerá se me expressar junto aos outros candidatos. Refiro-me à questão do pré-sal. Para mim, é uma estupidez enorme, assim como um contrassenso evidente. O Presidente da República disse que o ganho com o pré-sal será extraordinário em 10 dez anos. O que for ganho será aplicado na saúde e na educação. Primeiro que é mentira. O dinheiro que seria ganho passaria longe dessas prioridades. Segundo que está pouco ligando com a questão ecológica. Se o mundo está querendo deixar de usar tudo aquilo que polui ele quer é ganhar dinheiro com uma coisa que terá seu valor cada vez menor num futuro próximo. Investir uma fortuna sem pensar nas conseqüências! Esta é a visão que eles têm... Um abraço.
    Caro ANTÔNIO, é fundamental utilizar os recursos do pré-sal para investirmos em energias renováveis. Um planejamento administrativo transparente e um plano de prevenção bem formulado e claro também são condições para o inicio das atividades. Obrigado. Equipe de Conteúdo.

  • 29/08/2010
    Policial Militar - Dias - MG
    1 - Sugiro que unificação das polícias voltada pela desmilitarização e ciclo completo. (hoje não há mais motivo para manter forças estaduais militarizadas as forças armadas federais já são capazes de manter a segurança nacional). 2 - Sugiro a criação de cargo eletivo para delegado chefe municipal ou distrital. (sem auternância de poder policial não haverá interesse em proteger a população de fato, pois com a estabilidade a maioria dos delegados não se interessam pelo serviço). 3 - Sugiro valorização da carreira policial estimulando a ascenção por mérito até as carreiras de comando. (hoje existe uma clara divisão entre praças, oficiais, detetives e delegados perdem-se mais tempo apassiguando essa divisão do que executando o policiamento). 4 - Mudança urgente do Código Penal Brasileiro estabelecendo o caráter punitivo da pena e não educativo (em quase 60 anos de vigência do modelo educativo observou-se que a situação de segurança somente piorou no Brasil, entretanto, mudar a filosofia não significa desrespeitar o condenado mas proteger a sociedade, com a certeza da punibilidade, mesmo que alternativa).
  • 29/08/2010
    Adriana cassia de souza Santos
    Bom dia!Vi outro dia,a Marina em uma entrevista no morro,onde um morador lhe pediu ajuda para resolver problemas de infra estrutura.Sabemos que no desepero pela morada, eles não pensaram nas consequencias futuras das corrosões pelas águas das chuvas.Eles fizeram investimentos altos, muintas casas do morro,tem valor maior que uma casa padrão do tipo COHAB,e se não seria o caso,serem deslocados para outras áreas,já lhes dando condições de habiterem com dignidade fora da zona de perigo.A questão é,eles estão preparados para aceitarem mudar.
  • 28/08/2010
    luiz campos
    PRECISAMOS DE POLITICA FORTE DE EXPANSAO DE EXPORTAÇÕES E EXPANSAO DE EMPRESAS BRASILEIRAS NO EXTERI ( São Paulo, São Paulo, Brasil - Comunique-se - ) POLITICA FORTE DE EXPANSAO DE EXPORTAÇÕES E EXPANSAO DE EMPRESAS BRASILEIRAS NO EXTERIOR , sem deixar de proteger o mercado interno: 1- EMBAIXADAS E REPRESENTAÇÕES DO BRASIL NO EXTERIOR Transforma-las em pontos de publicidade e promoção de produtos brasileiros e possibilidades de investimentos no Brasil 2 - BNDES Deveria financiar somente empresas genuinamente nacionais; 3 - LICITAÇÕES Deveriam restringir somente a empresas genuinamente nacionais e empresas multinacionais que produzam somente com materiais fabricados no Brasil. Poderia ser feita uma contação internacional para pressionar as empresas locais. 4 - EXPORTAÇÕES COM VALOR AGREGADO GERARA LUCRO, EMPREGOS E DIVISAS ( São Paulo, São Paulo, Brasil - Comunique-se - ) EXPORTAÇÕES COM VALOR AGREGADO GERARA LUCRO, EMPREGOS E DIVISAS Os Empresários de Produtos In Natura/GRANEL precisam repensar as Exportações, incluindo no minimo um Pré-processamento antes de exportar. O Governo deveria Incentivar essas Operações, fazendo um Projeto de Lei concedendo: Isenção de Impostos, Financiamento para Construção e Maquinário, Facilidade de credito com Juros reduzidos e obrigando as empresas de geração e manutençao de empregos. Dentre os setores que acredito que poderiam ser os primeiros. Exemplos: 1 - Minérios - Industrias: Siderúrgicas e Industrias - Produtos: Chapas de Aço, Peças, Fios. 2 - Soja - Industria: Processadora - Produtos: Óleo, Alimentos, Medicamentos 3 - Milho - Industria: Processadora - Produtos: Alimentos Humanos e Animal 3 - Algodão - Industria: Fiação - Produtos: Fios e Tecidos pré-produzidos 5 - Cana de Açúcar - Industria: Empacotadora - Produto: Açúcar pronta para consumo 6 -Arroz - Industria: Empacotadora - Produtos: Arroz Pronto para Consumo 7 -Petroquímicos - Industrria:Embalagens -Produtos:biodegradáveis Os frigoríficos já estão fazendo bem esse trabalho e poderia ser tomado como exemplo. Pauta postada em: 18/04/2009 17:30, por luiz carlos ferraz de campos 5 - O SISTEMA DO GOVERNO DE EXPORTAÇÕES É DO SECULO PASSADO E FUNCIONA SOMENTE EM PLATAFORMA "DOS", na precisa falar que deve ser atualizado. Pauta postada em: 26/08/2010 11:53, por luiz carlos ferraz de campos
  • 28/08/2010
    Luiz Campos
    POLITICA AMBIENTAL - TEMOS MUITO A FAZER (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil - Comunique-se - ) Uma Política Ambiental é composta de: Legislação, Fiscalização, Educação e Incentivos. Penso que o Ministério e Secretarias do Meio Ambiente esta deixando muito a desejar, pois a única coisa que existe é a Legislação.. Comento abaixo algumas sugestões que podem impulsionar a Responsabilidade Ambiental Brasileira: FISCALIZAÇÃO; ? O Ministério do Meio Ambiente, Estados e Municípios precisam decidir a contratação de Fiscais, treiná-los e começar a FISCALIZAR COM RIGOR. ? Poderia ser feito também uma parceria com ONGs Ambientalistas para ajudarem na Fiscalização. ? Forte controle e proibição de emissão de gazes e queimadas. EDUCAÇÃO: ? Deveria ser incluída nos Currículos Escolares a matéria/disciplina de MEIO AMBIENTE. ? Poderia ser feito um convenio com a Mídia para que seja efetuada uma educação para População e informarem telefones de denuncia. ? Estimular as Universidades para pesquisas de Melhoria e Recuperação Ambiental. ? Estimular Cooperativas e Esclarecer a População sobre o ""Reaproveitamento de Lixo Reciclável , Resíduos de Construção, Óleo de Cozinha, etc . É um gerador de emprego. "" ? Educarr a População que Rio e Mar não são locais para esconder o Lixo e que algumas Prefeituras têm sistema de Recolhimento de Lixos Especiais. INCENTIVOS (Redução de Carga Tributaria dos Equipamentos e Materiais) ? Para instalação em todas as Indústrias, Condomínios e empresas Comerciais ou Serviços de ""Estações de Tratamento de Aguas e Esgotos"" ? Estimular a Utilização de Energia Solar e Captação de Água de chuvas. ? Elaboração de Leis para que todas as Construções a Partir de 2009 sejam feitas com planos de reaproveitamento de águas (Comerciais, Industriais, habitacionais, hospitalares, etc.). ? Estabelecer um Prazo até 2009 para que todos Municípios tenham pelo menos Estações de Tratamento de Esgoto. ? Estimular TODAS AS PROPRIEDADES RURAIS para preservarem as margens dos rios, nascentes e montanhas, com vegetação nativa pelo menos 100 metros das margens.. ? Reflorestamento das Encostas, Margens de Rodovias e Estimular Prefeituras e Residências ao Plantio de Arvores. ? Pesquisar de desenvolver uma solução para Reflorestamento Nativo em áreas com erosão e Regiões desérticas do Nordeste Brasileiro.. ? Estimular a Construção de Usinas de Processamento de Lixo e geração de gaz; Energia de Biomassa e Energia Eolica. ? Obrigar as Grandes Cidades a adotarem Asfalto Ambiental, que absorve e filtra as águas das chuvas, reduzindo os alagamentos. ? Fiscalizar a Emissão de Gazes e fumaça poluentes, tanto nas Principais Cidades quanto em pequenas. ? Estimular a utilização de pneus usados na produção de asfalto, calçados e pisos. Incentivar a Pesquisa de materiais de embalagem e sacos de lixo BIODEGRADAVEIS, eliminando o plastico. Pauta postada em: 04/03/2008 09:51, por Luiz carlos ferraz de campos
  • 27/08/2010
    Ricardo Dias Muniz
    Minha sugestão é voltada para a área de segurança publica na qual sou profissional e técnico: 1 - criaçao de uma polícia hierarquizada civilmente e com ciclo completo de polícia (desmilitarização), 2 - valorização salarial dos profissionais de segurança com acesso amplo as carreiras de comando baseado no merecimento, 3 - criação de processo eletivo para ocupação do cargo de delegado chefe do município levando a democracia para a segurança, 4 - reformulação do codigo penal estabelecendo o caráter punitivo da pena com respeito aos Direitos Humanos. Pena é para punir e não para educar, via de regra a punição justa, educa!
  • 27/08/2010
    Glaucia Feliciano
    GLAUCIA FELICIANO DA SILVA. Sra. Marina. Gostaria de saber quais sao suas propostas de governo para uma reforma tributaria? Como pode o Brasil ter os impostos mais latos da America latina e quase de todo o mundo, somente perdendo para alguns paises miseraveis da Africa, por exemplo. Eu moro no Canada e viajo sempre ao Brasil, fico assustada com os precos de tudo e o alto custo de vida do brasileiro. Tudo eh mais caro, supermecado, roupa, remedios, educacao, restaurantes, lazer, carros( os mais caros do mundo) , eletricidade, gasolina, internet, telefonia fixa e movel, e todo e qualquer produto eletronico. O que fazer para que os brasileiros tem acesso a todos estes recursos ? Obrigada, meu voto eh seu, voto no consulado daqui de Vancouver. Boa campanha
    Cara Glaucia, A ideia é reduzir os impostos indiretos sobre o consumo, reestruturando-o com base na transparência para que as demais taxas posssam ser planejadas de forma mais justa. Outra medida se refere ao IR. O planejamento se dá atraves do aumento do teto de isenção. Obrigado. Equipe de Conteúdo.

  • 24/08/2010
    Paulo Ignacio
    Assisti uma reportagem essa semana sobre o Induto que os presidiários receberam no dia dos pais e uma porcetagem não retornou aos presidios, e que muitos cometem crimes durante o induto. Gostaria de saber como seu governo vai tratar esse problema em conjunto com a justiça, que deixa cada vez mais evidente que cresce a impunidade em nosso pais?
    Caro Paulo, Criar condições para que o indivíduo possa retomar a vida em sociedade de forma definitiva exige uma série de medidas intersetoriais. Conforme a diretriz Qualidade de vida para todos os brasileiros, a ideia é criar mecanismos para facilitar a inserção do individuo que está preso através de acompanhamentos diversos, promoção de penas alternativas, do aumento da eficiência dos mecanismos de persecussão, com foco nos crimes graves, reduzindo a demanda por encarceramento massivo. Obrigado. Equipe de Conteúdo.

  • 23/08/2010
    Luis Filipe Gomes
    Marina e equipe. Fico feliz de ver o compromisso de levar a sério as sugestões dos eleitores ser cumprido. Então envio minha terceira sugestão. Abraços. Luis Filipe Gomes. PROJETO FAVELA NUNCA MAIS Justificativa: Este projeto nasce com o intuito de se contrapor às iniciativas do tipo: Favela-Bairro ou Pac das Comunidades, no qual as intervenções nas comunidades carentes a guisa de melhorias na qualidade de vida da população, na verdade apenas minoram os efeitos da carência de serviços às comunidades. Estas iniciativas na verdade, têm como efeito mais perverso a perpetuação da sub-moradia, com o aval e a complacência do Estado. Os problemas de saúde e segurança dentre outros que podemos englobar no rótulo de problemas sociais, continuarão ?ad eternum?, se uma idéia inovadora não sacudir essa inércia, que faz com que o poder público ache que a única coisa a fazer é maquiar a miséria, esquecendo-se que a premissa nº1 do Estado responsável é: - O zelo pela qualidade de vida dos cidadãos. Conceito: O projeto Favela Nunca Mais pretende dar destino a áreas urbanas hoje ocupadas por favelas, tendo como principal diferencial uma idéia inovadora qual seja: - As áreas urbanas de favelas, devem ser reocupadas segundo sua vocação natural. Exemplos aplicáveis na cidade do Rio de Janeiro: 1 - Favela da Maré ? Nova destinação: Zona industrial ? devido a sua proximidade com o Aeroporto Tom Jobim, Av. Brasil, Linhas Vermelha e Amarela e ligação ao Porto do Rio pelo Canal do Cunha. 2 ? Favelas do Vidigal, Rocinha e outras da Zona Sul ? Nova destinação: Empreendimentos hoteleiros, condomínios de altíssimo luxo, ou projetos de reflorestamento. - devido ao imenso potencial turístico e imobiliário da região. 3 ? Favelas da Zona Norte (Tijuca / Andaraí / Grajaú) ? Cond omínios residenciais. - devido ao potencial imobiliário para a classe média. Execução: As áreas de favelas após levantamento aero-fotográfico (que provavelmente já exista) seriam ofertadas em leilões públicos, com fins há uma possível desapropriação, na qual as terras seriam ofertadas para projetos que se coadunem com a sua vocação, de maneira que venham a constituir-se num excelente negócio imobiliário. O preço que vier a ser alcançado pelo m², tem necessariamente que ser extremamente atrativo para que os moradores das comunidades queiram fechar o negócio. Esse valor também poderá ser complementado pelo Estado, num percentual a ser discutido, de maneira a viabilizar eventuais negócios com menor potencial. A data inicial da implantação do projeto serviria como marco regulatório dos direitos dos cidadãos efetivamente de posse da terra, na ocasião da promulgação da lei, após a qual nenhuma outra construção seria indenizada, para que se evite um ?boom? de novas ocupações nas favelas. Faria-se uma cerca virtual digital, no entorno de cada comunidade, para se delimitar a abrangência do mesmo. Ninguém seria obrigado a deixar sua casa, porém as indenizações só seriam pagas com o aceite de no mínimo 80% ou mais da comunidade, de modo a preservar-se o investimento do empresário que arrematar o leilão, e o direito das pessoas decidirem seus destinos, em clima de liberdade e com a segurança garantida pelo Estado. Após a eventual concordância da comunidade, a desocupação entraria em contagem regressiva, pois o morador, teria com auxílio do Serviço Social do Estado ou não, um prazo para encontrar e comprar sua nova casa, através do uso de carta de crédito, gerida por um fundo habitacional. Após a desocupação do imóvel a demolição seria imediata. O efeito psicológico do esvaziamento da comunidade em torno, convenceria os mais reticentes a aceitar o acordo. Mesmo porque as indenizações teriam que ser bastante altas para que as pessoas pudessem recomeçar suas vidas dignamente em outra parte da cidade, do estado ou do país. Um percentual dos créditos devidos ao vendedor, seria reservado para pagamento de taxas condominiais e demais taxas de concessionárias de serviços públicos (da casa nova) por um período de 5 ou 10 anos de forma a garantir um tempo bastante razoável, sem ônus reais sobre a nova moradia, até que o ex-favelado tenha condições de manter-se no meio social que se inseriu. Poder-se-ia também garantir o uso de parte desse crédito para custeio de estudo em escolas e universidades privadas, (com programas de bolsas de estudo, de forma a baratear o custo do ensino para o cidadão ex-favelado) ou não, para que o mesmo e sua família tivessem condições de melhorar sua escolaridade, antes do momento no qual teriam que assumir os encargos que a vida nova venha a trazer. Para aqueles que optarem por migrarem para o campo, parte dos créditos poderiam ser usados nos insumos necessários para alavancar à produção que o mesmo vier a se dedicar, por um tempo similar ao crédito urbano, e também em estudo do agro negócio. Mesmo raciocínio se aplicaria a uma eventual cobertura de planos de saúde privados, custeados também pela sobra de crédito devido. Ao final do período de adaptação se houvesse ainda créditos a receber, eles aí sim seriam repassados na sua integridade ao vendedor. Tudo transcorreria com total liberdade de escolha dos moradores da comunidade, pois a efetiva concretização do negócio, só se daria com a concordância absoluta da maioria, só havendo o concurso da justiça e o eventual uso de força policial, caso os restantes 20% ou menos, resistentes à idéia da mudança realmente não aderissem ao negócio inviabilizando-o. Hipótese essa remota, desde que as indenizações sejam realmente irrecusáveis. Conseqüências: 1. A transformação de um problema social sem solução no maior negócio imobiliário do planeta, com o consequente aporte de capitais nacionais e provavelmente internacionais em uma magnitude nunca vista. 2. Aumento da visibilidade externa do país, de uma forma extremamente positiva. 3. A criação do maior projeto de efetiva distribuição de renda do país. 4. Redução da criminalidade. 5. Possível inversão do fluxo migratório, com redução demográfica da cidades, podendo esse percentual dos envolvidos, que optar pela migração vir a aumentar significativamente o número de famílias dedicadas à agricultura familiar, com potencial aumento da produção agrícola. 6. Efeito social positivo da efetiva mistura de classes, com a possibilidade de a classe pobre ser inserida dignamente no ambiente da classe média, desfrutando das chances e serviços que já são destinados a essa. E não mais continuar em guetos maquiados de cidade. 7. ?Boom? nas indústrias de construção civil, reciclagem e demolição. Com a criação de milhares de empregos, na esteira dos negócios paralelos envolvidos. 8. Aumento na arrecadação de impostos. Conclusão: Excetuando-se o possível impacto negativo na produção cultural popular proveniente das favelas, o impacto positivo dessa iniciativa na qual o Estado seria o gestor e co-participante (se possível com pequeno desembolso) é muito maior. Sendo que esse efeito positivo perduraria por décadas, provavelmente dotando a cidade de um perfil urbano, mais humano, menos degradado ambientalmente e mais justo. Por último quero ressaltar a imensa ?visibilidade? que terá a cidade, ou a unidade da federação, que tomar a decisão política de implementar esse simples na concepção, complexo na execução, mas grandioso projeto, chamado de: FAVELA NUNCA MAIS.
  • 23/08/2010
    Ricardo Mauricio Guerin Reis
    Srs(a) Ações de A a N são de fato importantes, precisamos e devemos participar. na pesquisa que eu li 31% da população não acredita e não vai votar. Vamos mudar este sentido. Um jogo de futebol é decidido em 2 tempos, vamos praticar da mesma foma. sds Ricardo Guerin Reis
  • 23/08/2010
    Luciano Gontijo
    Em tempo: lembrando que a ONU, por meio do Cipal, vem estudando e fazendo uso das experências das ecovilas e trazendo-as para o nosso ambiente urbano.
  • 23/08/2010
    Luciano Gontijo
    Bastante louvável a preocupação com o desenvolvimento sustentável das cidades, que é onde realmente vivemos. Acho que mecanismos de desoneração e incentivo tributário podem favorecer atitudes como morar próximo ou mesmo no próprio local de trabalho, ou fazer uso mais constante do transporte público (que deve ser subsidiado, inspirando-se em propostas como a que está em www.freepublictransport.org ) . Duas questões fundamentais não abordadas são o saneamento e o lixo. Somente a regulamentação, de preferência por emenda constitucional, de um mínimo a ser investido em saneamento básico (como ocorre com a educação e a saúde) podem propiciar a mitigação de uma realidade lamentável no momento. Em relação ao lixo, que recebe mais atenção, defendo um trabalho de educação juntamente com o uso inteligente de taxas que ao mesmo tempo onerem o seu desperdício e desonerem o seu reaproveitamento.
  • 19/08/2010
    Celia Regina Brum Magaldi Paravato
    Prezada Marina, Deus conta com vc para coisas muito importantes. Não lhe dê as costas na questão do aborto. Inclua em seu irem K um programa de defesa da família e amparo ao nacituro. Diga não à cultura de morte a partir de sua base. As plantas valem menos do que os nossos bebês. O Movimento Pró-Vida tem todos os dados para te auxiliar a sustentar a bandeira da Vida e com ela dar uma rateira nos teus adversários. Conte com minhas orações e a de milhões de brasileiros que não desejam ver o solo de nosa Pátria mais manchado do quer está.
  • 19/08/2010
    EDEN AZEVEDO ARANHA
    Que DEUS possa abençoar-lhe nessa longa jornada e conceder-lhe sabedoria e luz para estar no comando desse país. peço-lhe uma atenção redobrada para a saúde,educação,segurança,para que assim o povo brasileiro consiga realizar seus sonhos e obter mais qualidade de vida. e que a senhorita possa realizar também todos os seus sonhos. um abraço, e boa sorte.
  • 19/08/2010
    engenheiro Vicente
    sou engenheiro civil e ja fui secretario de obras em meu municipio,Potim SP.Com certeza é necessario um incentivo para cooperativas de reciclagem do lixo,deixando apenas para coletagem o lixo organico.Mas um grande problema das cidades pequenas é onde colocar este lixo residencial???? Aqui em minha cidade ,a opção é aterro sanitario,metodo adotado pela maioria dos municipios,mas até quando vamos ficar enterrando lixo???.é necessario q seja criado por exemplo,usinas de lixo e que possam ser utilizadas por diversos municipios,até mesmo,com a divisão dos custos entre eles,pois fica dificil p um pequeno municipio montar esta usina...
  • 17/08/2010
    Rudivaldo
    Olá Marina, gostaria de saber quais seus planos de governo especificamente para segurança pública que no brasil esta cada vez mais difícil de se ter. desde já agradeço.
    Caro Rudivaldo, Verifique se sua resposta está na diretriz "Qualidade de vida e segurança para todos os brasileiros" principalmente no item: i.Implantar uma Nova Estrutura Institucional da Segurança Pública. Obrigado. Equipe de Conteúdo.

  • 17/08/2010
    Adilson Costa Barros
    Sra Ministra Li com atenção suas diretrizes com relação a Qualidade de vida e segurança para todos os brasileiros e o que mais a população reclama hoje é a questão da Segurança. Simpatizo-me com vossa CAMPANHA que se fundamenta nas questões ambientais, que é o óbvio, face a Senhora ser icone mundial deste tema inquestionável e indispensável a vida humana. Pergunto-vos, por que não conciliar as questões ambientais com a segurança pública, que é a minha área, pois segurança não se faz apenas com efetivo, boa formação, ações intrinsecas e extrisecas de direitos humanos entre outros, armamento condizente com a realidade brasileira, etc, etc, etc; Segurança pública se faz tambem, com saneamento básico, iluminação pública, calçamento, emprego, açóes voltadas para o combate ao desmatamento irregular, queimadas criminosas; alem de outras questões ambientalistas que influemciam diretamente na Segurança da sociedade. Estou a Vossa disposição para qualquer debate a respeito deste interessantíssimo tema, que com certeza enriquecerá Vossa campanha a nivel nacional. SUCESSO Vitória, 17 de agosto de 2010 Adilson Costa Barros
    Caro Edilson, A ideia é exatamente essa. Pensar em politicas inter setoriais. Obrigado pela sugestão e disponibilidade. Equipe de Conteúdo.

  • 15/08/2010
    Janaína
    Olá. Marina, gostaria de saber suas propostas, não só em relação aos infratores que se encontram presos mas também às pessoas que estão aqui fora, principalmente entregues às drogas. O que você pensa em fazer para reestruturar essas pessoas? Na minha opinião, o investimento na construção de presídios e mais presídios, não resolve o problema e sim, a criação de ONGs, Centro de Ressocialização e etc, com sistema gratuito para que todos tenham acesso;enfim, políticas voltadas a reintegração dessas pessoas na sociedade e para que estas sejam vistas como ser humano independente da classe social a que pertençam. Att
    Olá Janaína, em linhas gerais a ideia é integrar a Terceira Geração de Programas Sociais e o acompanhamento desses egressos através de parcerias, como você disse, e agentes de desenvolvimento. Outra questão é a garantia de acesso a educação e emprego dentro dos locais de reabilitação, a reformulação dos próprios locais e ainda ter a atenção voltada para educação de base. Dê uma olhada na diretriz 3.2.5. Qualidade de vida e segurança para todos os brasileiros. Obrigado. Equipe de Conteúdo.

  • 15/08/2010
    Rodrigo
    Entendo que o Brasil deva incentivar a politica de cultua de paz, porém no contexto internacional de relações tensas, não podemos abrir mão de Forças Armadas eficientes e modernas. Já que o programa de governo contempla a tarefa de proteção ambiental às F.A., as mesmas deverão passar por uma reforma e aumento de seus efetivos. O que nao podemmos é defender o "continente Brasil" com os meios ineficases e escassos que temos hoje. Boa campanha!
  • 13/08/2010
    Clodovco Braga
    Boa campanha. Estou com 43
  • 11/08/2010
    Danielle
    Olá, gostaria de saber a respeito de políticas de habitação, já que as favelas são um grave problema não só social como ambiental. O que Marina pretende fazer com relação a elas? Vai seguir com os programas demagogos e que só estimulam a aumentar o problema, como o "PAC" e as UPPs? Ou vai enfrentar de vez este enorme e indigesto problema de forma corajosa e eficaz? Desde já agradeço e manifesto minha intenção de voto em Marina.
    Olá Danielle, As politicas ligadas a infraestrutura e segurança devem ser pensadas em conjunto para que atuem de forma efetiva. As áreas de manaciais devem ser preservadas e ampliadas, as áreas já consolidas devem receber saneamento ambiental, e a sociedade de forma geral deve receber informações para que os mecanismos de controle se efetivem. A segurança nessas áreas deve ser pensada para que a comunidade interaja e conviva com a polícia. Além disso, levar educação e consolidar os Programas Sociais de Terceira Geração nestas localidades significa atingir a violência de frente. Obrigado. Equipe de Conteúdo.

  • 11/08/2010
    RONDINELLI BITENCOURTH ELIAS
    Já há muito tempo ouvimos falar que a educação no Brasil precisa passar por mudanças. Sendo eleita, a senhora que é professora que faria para melhorar potencialmente a educação pública?
    Caro RONDINELLI, A Educação é prioridade no governo de Marina. É base para as mudanças que queremos para o país e deve ser analisada intersetorialmente. Dê uma olhada na diretriz 3.2.2. Educação para a sociedade do conhecimento. Possivelmente sua resposta esteja contida nesse item. Obrigado. Equipe de Conteúdo.

  • 11/08/2010
    RONDINELLI BITENCOURTH ELIAS
    MARINA,GOSTARIA QUE VC DISSERTASSE MAIS SOBRE O TEMA SEGURANÇA PÚBLICA, E COMO SE DARIA A REINCERÇÃO DOS APENADOS NA SOCIEDADE. QUE SERIA FEITO DE EFETIVO PARA REITEGRAÇÃO DAQUELES QUE FORAM RETIRADOS DO CONVIVIO SOCIAL?
    Caro RONDINELLI, a ideia de Marina é colocar em prática algumas medidas relativas ao sistema prisional que agiriam direta e indiretamente na reeincerção social dos infratores na sociedade e diminuiria as altas taxas de reincidência criminal no país, que hoje está em torno de 70%. Entre as medidas estão: assegurar educação e trabalho prisionais, com as devidas remições; bem como a assistência social e o atendimento aos bebês e filhos de mulheres encarceradas, além do atendimento à saúde dos internos e dos funcionários, desenvolver programa nacional de apoio aos egressos para favorecer a reinserção social dos que cumpriram suas penas entre outras medidas. Obrigado. Equipe de Conteúdo.

  • 07/08/2010
    claudia
    Querida Marina, Sou sua fã e uma das coisas que mais quero neste momento é ter vc como nossa líder governamental, nossa "rainha". Gostaria de sugerir que sua campanha fosse um pouco mais agressiva, que vc aparecesse mais, com um pouco mais de marketing, sem deixar de ser vc mesma, é claro. Sugiro isso porque vejo que as pessoas que prestam atenção nos candidatos, nos programas de governo, com certeza votarão em vc, mas a grande maioria, o povão, vota pelo direcionamento do marketing, sem prestar atenção no que pode significar seu voto, às vezes votam em determinado candidato por uma simples questão de simpatia, por aparência física, menos pelo programa de governo. E vc é tudo de bom e isso precisa chegar de forma clara pra todos.
  • 03/08/2010
    Renato Bersot
    Futura presidente, Já estava divulgando o seu nome, muito antes da campanha começar. Aqui na minha cidade só vai dar Marina Silva. Estamos juntos nesta luta!! Que o Senhor Deus te abençoe e proteja!!
  • 31/07/2010
    Walter
    Um dos grandes problemas do Brasil é a entrada de armas e drogas no País, que todos sabemos por onde vêm mas mesmo assim não há uma fiscalização eficiente nas fronteiras. No item "n. Defesa Nacional", na minha opinião a prioridade deveria ser o controle intenso das fronteiras com relação a entrada de armas, drogas e produtos contrabandeados e este deve ser o foco principal, deixando para segundo plano (mas não menos importante) a preservação do meio ambiente.
  • 31/07/2010
    ROMEU ARAUJO
    SOU POLICIAL MILITAR, E GOSTARIA DE SUGERIR QUE FOSSE ACRESCIDO AO PLANO DE GOVERNO UM PROJETO PARA VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA, COMO PISO NACIONAL, TREINAMENTO BÁSICO PADRÃO PARA TODAS AS UNIDADES DA FEDERAÇÃO E REGIMENTOS INTERNOS SIMILARES, COMO O DE MINAS GERAIS, QUE É MAIS JUSTO EM SUA APLICAÇÃO. PRA FRENTE BRASIL, COM MARINA PRESIDENTE!!!
  • 29/07/2010
    Rivail A. G. Gripp
    Programa de Governo de executivos se parecem muito, acredito no diferencial de Marina, há necessidade de ter um Plano de Ação junto a todos os municípios brasileiros: 1- Capacitação e Valorização de Servidores Concursados. 2- Fiscalização austera nas esfera municipal, estadual e federal dos cargos de confiança e seus salários. 3- Exigência de maior rapidez e menor burocracia do judiciário, além de uma fiscalização do poder das liminares, principalmente aos maus políticos. 4-...
  • 29/07/2010
    walter tesch
    ITEM G criar carreira de AGENTE DE DEFESA CIVIL Penso que é um equivoco esta linha fque fortalece o ESTADO PROVEDOR, a "DEFESA CVIL" deveria ser "CIVIL MESMO", fortalecento o ESTADO MOBILIZADOR criando um sistema de VOLUNTARIADO DE DEFESA CIVIL. Com formação basica obrigatoria e conhecimento dos territorios onde vivem, com determinado numero obrigatorio de MOBILIZAÇÃO ANUAL. Aí sim quando mobiliza para estudo e treinamente e evento emergenciais ele receberia um JETON, ISTO TERIA INUMERAVEIS DESDOBRAMENTOS NO "FATOR COMUNIDADE " OU "CAPITAL SOCIAL" e não criaria outra burocracia irremovivel.
  • 29/07/2010
    Rosiane Batisa
    Concordo com a colega Jussara, já não aguentamos mais tanto DESCASO, IRRESPONSABILIDADE, SAFADEZA, queremos um PAÍS DESCENTE em todos os sentidos: na Política, na Educação, na Saúde, na Cultura (onde na maioria das vezes a Cultura brasileira é vista no exterior como sendo apenas Carnaval e principalmente mulheres peladas ou quase. A nossa cultura não é isso!), no Meio Ambiente (valorizando nossa Amazônia, que vem sendo devastada a cada ano), queremos ser realmente um País de Todos! E como disse o colega Antonio Bezerra, também estou com Marina e Vamos incomodar e muito!!!
  • 29/07/2010
    silvio
    Querida Marina, sou um de seus eleitores, e um fã da tua trajetória de vida, costumo citar o teu exemplo para as minhas filhas. Eu sei que criar um programa de governo para um pais do tamanho do Brasil com todas as nossa diferenças étnicas, é bem difícil, não fomos EDUCADOS para pensar no bem estar do todo, para buscar o melhor para toda a sociedade, por certo você verá muito aqui e em todos os meios de comunicação, eleitores e grupos "puxando a brasa para o seu assado". Venho lhe sugerir uma idéia que tenho certeza já faz parte das tuas convicções. Precisamos mudar o Brasil de baixo, na escola primária, precisamos educar os professores a encarar a profissão como um sacerdócio e com isso educar nossas crianças para em quem sabe uns 20 anos, com a renovação das gerações termos um país mais justo e unido, onde todos busquem o bem estar de todos, onde se lute para manter a igualdade, e não para se ter mais privilégios, sei que é uma tarefa difícil, mas confio em você, um povo educado, é disso que precisamos. Abraços Fraternos Silvio
  • 29/07/2010
    Carlos Nepomuceno
    Prezada Marina, gostaria de sugerir como visão geral para as cidades: - Plano nacional de incentivo ao trabalho a distância, o que ajudaria bastante a reduzir a circulação das pessoas nas cidades e viabilizaria a mudança para cidades menores próximas ao grande centro. - Implantação, similar ao que se vê nos EUA, do Governo 2.0, através da participação direta da população nos caminhos e manutenção de cidades. O Gov. Federal poderia incentivar isso intenamente e ser um incentivado para Estados e Municípios. Não se trata de abrir os dados, mas da população interferir neles. Fiz exercício com alunos sobre o tema Cidade 2.0, que pode ser visto aqui: http://nepo.com.br/2010/05/29/kiko-o-primeiro-prefeito-2-0-do-brasil/ Sobre Governo 2.0 tenho algumas reflexões aqui: http://nepo.com.br/category/governo-2-0/ Grato, abraços, Nepomuceno. doutorando em ciência da Informação - UFF
    Caro Carlos, Sua proposta está sendo analisada. Muito obrigado. Equipe de Conteúdo.

  • 29/07/2010
    André
    Meu recado é mais às pessoas que a candidata. Para que qualquer coisa mude, isso precisa passar por nós brasileiros. Nós que temos que iniciar a mudança e isso não é só agora na eleição, mas sim (e muito mais) depois que eles forem eleitos, mostrarem que o público é quem decide e não eles. Foi demonstrado o poder do povo este ano com a aprovação do Ficha Limpa, mas só sua aprovação não é suficiente. Nós mesmos temos que fiscalizar! Para Marina, agradeço a abertura para discussão, e é assim mesmo que acredito que, se eleita, seria a melhor forma de governar! Manter o canal aberto!
  • 29/07/2010
    Marcelo Chaves
    muito bom dia! retuito a marina até quando ela dá "boa noite", precisamos fazer uma corrente diária para fortalecer a campanha virtual da nossa presidente. Enviar e-mails com o link minhamarina.org.br , colocar o link nas telas iniciais, divulgar ao máximo que enfim temos uma pessoa que se preocupa em primeiro lugar com o país e não com os interesses pessoais! VAMOS QUE VAMOS MINHA GENTE, MARINA PRESIDENTE!!!
  • 29/07/2010
    André
    Na política de drogas, há algum espaço proposto pela candidatura à descriminalização, ainda que apenas do usuário, com critérios claros para defini-lo?
    Olá André, Veja as ideias de Marina sobre o assunto na seção Marina Responde - drogas Obrigado. Equipe de Conteúdo.

  • 28/07/2010
    Dani Sun
    Acho imprescindível uma política eficaz contra as drogas - mesmo as lícitas - pois elas ocupam boa parte do orçamento com educação, segurança e saúde pública. E, para mim, as drogas (a sua venda, distribuição e consumo) estão entre os maiores problemas do Brasil hoje.
  • 28/07/2010
    elane
    Marina, gostaria de saber sua posição sobre aborto, casamento de homossexuais e família!
    Olá elane, veja nesse site em Marina Responde os assuntos específicos. Obrigado. Equipe de Conteúdo.

  • 28/07/2010
    Antonio Bezerra
    Amigos, não consegui identificar algo específico nas diretrizes apesar de acreditar que está nas entrelinhas. Gostaria de sugerir algo específico em relação as Famílias, algo como APOIO E VALORIZAÇÃO DA FAMÍLIA, algo que envolva um trabalho até mesmo junto as ONGs de orientação aqueles que tem problemas com dogras, álcool dentre outros. Sabemos que uma parte da violência está liga a famílias desestruturadas. Desculpe-me se não consegui expressar bem minha ideia. Obrigado. Estou com Marina. Podemos até não ganhar, mas vamos incomodar.
    Caro Antonio, Está entre as dirterizes a expansão das liberdades, capacidades e oportunidades relativas a famílias e comunidades. Um maior atrelamento e envolvimento entre entidades da sociedade civil faz parte disso. Obrigado pelo apoio e sugestão. Equipe de Conteúdo.

  • 28/07/2010
    Luis Filipe Gomes
    Gostaria de propor uma adição ao item m, onde se lê: "ampliando os mecanismos de controle sobre a (utilização), produção, venda, e exportação de armas." Sugiro um programa, que poderia ser denominado: Adeus às Armas. Justificativa: Apesar de estar em vigor, o Estatuto do Desarmamento, não consegue, por si só ser a solução para o drástico problema da violência, concretizada através do uso de armas de fogo. Contexto: Apesar de ter aumentado o número de apreensões de armas, feitas pelas polícias, a violência recrudesce. Conceito: Não basta se pensar em aumentar a fiscalização na produção e comercialização de armas, é preciso atuar na ponta final do processo de violência, qual seja a utilização de armas, seja para que fins forem. por pessoas sem porte para tal. Portanto, é preciso dar eficácia a abordagem policial, dotando todas as guarnições nas ruas, de detectores de metais portáteis, de modo a que revistas em pontos de onibus (antes do bandido entrar no coletivo), ou a transeuntes e ocupantes de veiculos, tornarem-se atos rotineiros, e inibidores do porte ilegal Conclusões: 1- Rapidamente aumentaria a sensação de segurança, na mesma proporção que aumentaria substancialmente o receio do portador ilegal, de sair a rua com sua arma. 2- A abordagem com um mecanismo, que não toca no corpo das pessoas, a meu ver, não poderia ser interpretada como discriminatória nem abusiva. Abraços a Presidente Marina e a toda equipe
    Caro Luis Filipe, Saudações. Suas sugestões serão encaminhadas e consideradas na elaboração do plano de governo de Marina. Obrigado. Equipe de Conteúdo.

  • 27/07/2010
    Jussara Dias Pertes
    Indignação de uma cidadã. Sou Jussara Dias Prestas, profissão enfermeira, com 3 filhas, agora adultas. Trabalho em um hospital público e Florianópolis.Há um ano atráz meu salário básico era de R$1.200,00 , par melhorar meu salário necessito realizar HP mais sobre aviso, oferecido pela secretaria da saúde. Após os 18 anos minhas filhas iniciaram a trabalhar par ajudarem nas despesas e sempre estudaram e estudam em escola pública. 1º) Minha indignação é sobre o pagamento de R$949,34 de IR referente ao ano 2008, por que esqueci de retirar uma de minhas filhas com dependente, e que recebeu R$6.899.00 nestye referido ano. 2º) Para manter minha renda dita mais ou menos digna a meses que chego a trabalhar 12 hs por dia 20 dias por mês , assim pelo menos posso realizar uma viagem de 7 dias nas minhas férias. 3º) Quando necessitamos de consulta médica temos que espera no mínimo 15 dias, e se for algum exame mais complexo ou uma especialidade médica a espera é mais de 3 meses; ( Posto de Saúde). for pela UNIMED também existe dificuldades e sei que esta empresa deve milho~es a federação. 4º) Duas de minhas filhas Joiana e Anai fazem parte da Seleção Nacional de Hóquei na Grama, a qual não tem local próprio para treinar, não tem ajuda de custo por parte do governo sem insentivo algum. O que existe é o Paitrocínio. PERGUNTO: Como o governo brasileiro que que jovens atlétas represente o pais nas olimpiadas de 2016 se não existe incentivo??? 5º) Na emergência do hospital público onde trabalho a 10 anos, falta funcionários, materiais necessários para realização dos procedimentos, espaço par atendimento dos pacientes, assim comprometendo a segurança dos pacientes e funcionários. Nos municípios brasileiros existe um exagerado número de ambu~lâncias e não existe hospitais suficientes para o recebimento dos pacientes. Sei qual oproblema: Contruçaõ de hospitais n~~ao suntenta poder político Abulãncia SIM!!!! 6º) Meu marido Daltro e aposentado por invalidez, por ser portador de expondilite anquilozante gravis. Pagou sua aponsentadoria sobre 10 salários minimos, enquanto trabalhava. Hoje recebe menos que 4 salários, e desconta IR na fonte, por lei não deveria. Motivo: o INSS não informou a Receita Federal que ele é isento. PERGUNTO: Onde esta o resto do salário que meu marido reclheu?? 7º) Não temos estradas decentes e pagamos um absurdo de pedágios para empresas tercerizadas. Onde estarão nossas ferrovias, que alem de tranportarem nossas mercadorias insentivaria o trasporte de passageiros e o turismo co segurança. PONDERANDO. Meu pai ex-combatente da segunda guerra mundial, foi fiscal federal, honesto e apaixonado por este pais. Agora entendo suas injúrias e indignações e decepções com políticos brasileiros. Faz 35 anos que ele faleceu o Brasil continua o mesmo, pais do futuro, 8ª economia do mundo, pais de jovens que estão envelhecendo, desinformados sem esperança, pois não conseguem mudar nada por mais que tente. O QUE MANDA É O PODER!!! Aclasse média pobre é que carrega este pais nas costas e paga aconta. ATÉ QUANDO OS POLÍTICOS IRÃO COM O DEBOCHE, A SAFADEZA E A IRRESPONSSABILIDADE. Para que? Onde querem chegar, distruindo sua própra casa!!! NÃO ME IMPORTARIA DE PAGAR IMPOSTO DE RENDA, DESDE QUE TIVESSE TOS AS CONDOÇÕES DE SOBREVIVÊNCIA BÁSICA, COM DIGNIDA DESCRETOS A CIMA. Atenciosamente: Enfª Jussara Dias Prestes A Canditata Marina Silva a quem iremos votar.
    Cara Jussara, Suas dificuldades são as mesmas enfrentadas por mais de 90% da populacão. O momento é de mudanças. É preciso modificar as bases da sociedade brasileira e de seu funcionamento para que todos possam viver com dignidade de forma sustentável em todos os sentidos que essa palavra atinge. Priorizar a qualidade de vida é fundamental. O Brasil é o país do presente. Agradecemos seu apoio e confiança. Equipe de Conteúdo.

  • 27/07/2010
    ..::IAQUE::..
    minha candidata, não achei em nenhum lugar o tema Agrotóxico. Tóxico entra na cadeira, tóxico fica na cadeia. Encontrei zero citações no atual diretrizes_versao_ampliada.pdf Redução de impostos para agricultura orgânica poderá ser um incentivo. sorte na campanha sds
    Caro ..::IAQUE::.., O que há entre as diretrizes é o incentivo à agricultura familiar e sustentável. Além disso, você pode ler sobre redução do uso de agroquímicos e uma transição para o sistema de agroecologia na diretriz 3.2.3. Economia para uma sociedade sustentável - item m. Obrigado. Equipe de Conteúdo.

Adicionar comentário




Enviar

Marina indica
REDE SUSTENTABILIDADE
Plataforma MudandooBrasil
PSB
PPS
CENPEC
IDS
ISA
Blog do Carlos Nepomuceno
Blog do José Eli da Veiga
Blog do Luiz Eduardo Soares
Blog da Neca Setubal
Blog do Tasso Azevedo